domingo, 19 de novembro de 2017

À guisa de Alegoria.





         Era uma vez um Reino que tinha uma cidade encantada.
         O nome dessa cidade era Beleza Feliz.
         Beleza Feliz tinha mar e dunas, florestas e lendas, e um povo belo e feliz.
         Um dia um homem ambicioso invadiu Beleza Feliz e gritou, com arma em punho:
 Esse Reino é meu. Saiam todos daqui.
         O povo de Beleza Feliz se uniu e disse:
         - Não vamos sair! Nosso é o reino!
         Assustado, o homem ambicioso fugiu.
         Tempos depois chegou a Beleza Feliz outro homem ambicioso e viu também, de cima da colina da porta da cidade, uma mina formidável.
         Aí o Homem Ambicioso murmurou baixinho, mas decidido para o seu secretário:
         - Vou tomar essa mina para mim.
         Então, o homem ambicioso entrou disfarçadamente em Beleza Feliz.
Fingindo amizade ele convocou o povo para a Praça da Felicidade, ofereceu bebida e batuque, e disse:
         - Tenho um plano.
         O povo aplaudiu, se dividiu e organizou torcidas.
Depois deixou o Homem Ambicioso se sentar no trono de Beleza Feliz, e ele começou a reinar.
         Explorava a mina e distribuía ajudas. Mas, não cuidava da escola.
         Um dia o secretário do Homem Ambicioso cochichou no ouvido de um nativo de Beleza Feliz:
         - Meu amo está ficando cada vez mais rico. Mas, da mina de vocês ele só dá ajuda.   
         Aí o nativo de Beleza Feliz convocou o povo na Praça da Felicidade, deu bebida e batuque e disse:
         - Tenho um plano.
         O povo aplaudiu, se dividiu, organizou torcida, expulsou o Homem Ambicioso, e deixou o nativo se sentar no trono de Beleza Feliz.
         O nativo explorava a mina, distribuía ajudas, mas não cuidava da escola.
         Veio um tempo de muito sofrimento, de muita penúria e de muita falta de saber.  
Aí um arauto que andava na mata, navegava no mar e  sondava o firmamento,  convocou o povo para a Praça da Felicidade. Não deu bebida nem batuque, mas abriu os papéis que trazia e leu:
         Quando vos derem bebida e batuque e disserem que têm um plano, perguntai-lhes se o plano é para Beleza Feliz ou se é para o esperto que vos logra.
         Ai o povo de Beleza Feliz gargalhou, fez galhofa e zombou do arauto que andava na mata, navegava no mar e sondava o firmamento.
         Agora ele anda pelas ruas de Beleza Feliz, mas só querem ouvi-lo se ele der bebida e batuque.  

Baía Formosa, 20 de Novembro de 2017.
Dario Franco




Postar um comentário